Registrar-se

As músicas mais inesquecíveis da MPB

Esta postagem foi originalmente publicada em 15 de outubro de 2017 e atualizada em 19 de outubro de 2020

A Música Popular Brasileira (MPB) é um estilo muito prestigiado, não apenas no Brasil, mas também em vários lugares do mundo. Com compositores que se destacam pelas suas canções repletas de poesia e acompanhadas por uma melodia bastante característica, escolher as cinco melhores músicas da MPB só não é uma tarefa mais difícil do que selecionar os melhores jogos de cassino para curtir em seu cassino online preferido. Tendo isso em mente, a seguir estão as vinte canções mais inesquecíveis da MPB e as vozes que as tornaram um grande sucesso entre o público e a crítica.

1. Domingo no Parque - Gilberto Gil

Com uma melodia envolvente e uma história de amor cheia de reviravoltas, “Domingo no Parque” é uma das canções mais famosas da “Tropicália”, um importante movimento musical, que atingiu o seu auge em meados dos anos 60. Um dos fatores que torna a música tão especial é a sua variedade de elementos sonoros, que mesclam o som do berimbau com a guitarra, por exemplo. Aliás, Gilberto Gil foi o grande pioneiro na introdução da guitarra em canções de MPB, algo que foi bastante comentado na época do lançamento de “Domingo no Parque”.

2. Como Nossos Pais - Elis Regina

Obra do compositor Belchior, “Como Nossos Pais” foi imortalizada na voz de Elis Regina, que a tornou um dos grandes clássicos da MPB. Para muitos, Elis foi a melhor cantora que o país já teve, pois ela conseguia cantar de forma devota e sincera, o que passava a impressão de que cada música era um hino em sua voz. A letra impactante da canção também não pode deixar de ser citada como uma das razões pela qual “Como Nossos Pais” deve estar presente em qualquer lista que reúna as grandes músicas da Música Popular Brasileira.

3. Gostava Tanto de Você - Tim Maia

Cercado de influências da soul music, Tim Maia conseguiu ceder muita personalidade as suas músicas devido ao seu timbre de voz único, sendo difícil citar apenas uma entre tantos sucessos extremamente populares. “Gostava Tanto de Você” é o grande destaque pois possui uma acústica melodiosa, que encanta e empolga a todos que a escutam. A título de curiosidade, a letra da canção é de autoria do músico Edson Trindade, com quem Tim Maia divida os palcos na época em que pertencia ao grupo The Sputniks.

4. Nature Boy - Caetano Veloso

Um dos grandes nomes do movimento “Tropicália”, Caetano Veloso é um músico excepcional, conhecido por seu tom de voz calmo e agradável de se ouvir. Em “Nature Boy”, Caetano consegue demonstrar todo o seu talento e complexidade, o que faz dessa música um obra prima da MPB. Com uma discografia extensa e de sucesso, além de uma carreira sólida e que permanece atraindo uma legião de fãs aos seus shows, Caetano Veloso é considerado como um dos maiores cantores do Brasil.

5. O Ciúme - Maria Bethânia

Conhecida por ser uma cantora discreta e até mesmo avessa aos holofotes, Maria Bethânia possui mais de 50 anos de carreira, durante os quais iluminou e encantou os palcos onde se apresentou. Na canção “O Ciúme”, é possível perceber com clareza toda a potência vocal de Maria Bethânia e entender a razão pela qual essa é uma das músicas mais prestigiadas da MPB.

6. Águas de Março – Elis Regina

Como comentamos anteriormente, Elis Regina é considerada por muitos como a maior cantora brasileira de todos os tempos. Sendo assim, não é de se estranhar que seu nome apareça mais de uma vez em qualquer lista que selecione as maiores músicas do Brasil. Em “Águas de Março”, composição do grande maestro Antônio Carlos Jobim, Elis esbanja talento e estilo, o que fez com que a música alcançasse a marca de uma das dez músicas mais tocadas mundialmente durante todo o século XX. Se isso não bastasse, em 2001, parte da mídia especializada indicou “Águas de Março” como a maior música brasileira da história.

7. Construção – Chico Buarque

Música de 1971 e um dos maiores sucessos de sua carreira, “Construção” inovou a maneira de se compor uma letra, com Chico Buarque escrevendo versos que contam uma história de um trabalhador de construção, sem a utilização de refrãos, apenas versos que evoluem com o contar da história. O ritmo cadenciado evoca ainda mais a sensação de poesia, com uma métrica pensada e palavras escolhidas a dedo para gerar a sensação de andamento musical. Não só isso, a própria maneira como a melodia evolui faz referência ao tema da canção, a construção, graças à combinação com os versos que cadenciam a canção.

8. Chega de Saudade – João Gilberto

Reconhecidos por muitos como marco inicial da Bossa Nova, talvez um dos maiores movimentos que compõe a música popular brasileira, “Chega de Saudade” é de composição do poeta Vinícius de Moraes (letra) e do maestro Antônio Carlos Jobim (melodia). A música se eternizou na voz de João Gilberto, em 1958, em disco de mesmo nome que se tornou um dos mais marcantes de toda história musical do Brasil. A parceria iniciada em “Chega de Saudade” não parou por aí, e os três amigos e parceiros – Tom, Vinícius e João Gilberto – ainda viriam a lançar diversas músicas que tiveram um impacto imensurável na música nacional.

9. Metamorfose Ambulante – Raul Seixas

Não é possível se falar em música brasileira sem citar Raul Seixas. Seu maior clássico, “Metamorfose Ambulante”, foi composto em 1973, período pelo qual o país se encontrava regido por uma ditadura militar. Em meio a esse contexto, “Metamorfose Ambulante” é lançada falando de liberdade, mudança e o quão importante é repensar opiniões enraizadas na sociedade. Além de uma joia musical, a composição também demonstra sua importância histórica. Já pensou não ter liberdade para curtir seus jogos de cassino?

10. Garota de Ipanema – Tom Jobim e Vinícius de Moraes

Como fazer uma lista e não citar “Garota de Ipanema”? Famosa por ser a segunda música mais tocada do planeta (atrás apenas de Yesterday, dos Beatles), “Garota de Ipanema” é de composição da dupla Vinícius de Moraes e Tom Jobim, que já foram citados anteriormente, em homenagem à carioca Helô Pinheiro. A música foi tão marcante e envolvente que rompeu as barreiras nacionais, sendo regravada por grandes nomes do cenário musical internacional, como Frank Sinatra, Nat King Cole e Ella Fitzgerald.

11. Mas que Nada – Jorge Ben Jor

Talvez um dos maiores clássicos de Jorge Ben Jor, “Mas que Nada” mistura elementos da cultura africana com o samba e a bossa nova, ocasionando um impacto no cenário musical brasileiro. Assim como outras já citadas nesta lista, “Mas que Nada” rompeu fronteiras e fez grande sucesso nos Estados Unidos com a voz de Sérgio Mendes. Em 2006, o grupo Black Eyed Peas gravou uma mixagem da canção com o próprio Sérgio Mendes, que chegou a ocupar a posição 13º nos rankings da Billboard. Também contou com regravações internacionais de Ella Fitzgerald, Al Jarreau, Trini Lopez e José Feliciano.

12. Roda Viva – Chico Buarque e MP4

“Roda Viva” foi originalmente composta por Chico Buarque para uma peça teatral de mesmo nome. Suma importância história e cultural fica clara nas metáforas utilizadas pelo compositor para criticar o regime político vigente e driblar a censura da ditadura. Do fim de 1967, apenas 3 após o golpe militar de 64, a música evoca um sentimento de impotência e cerceamento impostos pelo cenário político do país. Os versos contrapõem o desejo de lutar por uma sociedade livre e mais justa com o sentimento de impotência típico de regimes ditatoriais.

13. Pra Não Dizer que Não Falei das Flores – Geraldo Vandré

Grande nome da música brasileira, Geraldo Vandré se imortalizou com o grande clássico “Pra Não Dizer que Não Falei das Flores”. A música, de 1968, foi rapidamente censurada e proibida pelo regime militar por ter se tornado hino da resistência dos movimentos anti-ditatoriais estudantis e civis no Brasil. Seu peso emocional é tamanho que a canção continua sendo sinônimo de luta até os dias atuais, tendo sido regravada por diversos artistas nacionais e ganhando as paradas sempre que renovada.

14. País Tropical – Wilson Simonal

Uma das maiores odes ao Brasil e sua cultura (em especial ao Rio de Janeiro), “País Tropical” conta as maravilhas do país, como o clima, o carnaval, o amor pelo futebol e a camaradagem dos brasileiros. De composição de Jorge Ben, a música foi gravada originalmente na voz de Wilson Simonal em 1969 e se tornou o maior sucesso de sua carreira. Em seu ano de lançamento, “País Tropical” foi a música mais tocada no país tropical.

15. Detalhes – Roberto Carlos

Provavelmente o mais romântico de todos os cantores brasileiros, Roberto Carlos se tornou um ícone da música brasileira, intocável, cujo sucesso parece imune ao tempo. Uma de suas canções mais famosas, “Detalhes”, de 1971, foi escrita pelo cantor em parceria com seu grande amigo Erasmo Carlos. Com a composição, Roberto Carlos atingiu a impressionante marca (principalmente considerando-se a época) de 1 milhão de cópias vendidas em discos.

16. As Rosas Não Falam – Cartola

Com certeza uma das canções mais importantes do samba, um dos movimentos de maior associação cultural com o Brasil e talvez a principal influência da MPB, “As Rosas Não Falam” foi composta por Cartola no ano de 1974, inspirada por uma rosa que havia presenteado para sua esposa. Pouco mais tarde, em 76, “As Rosas Não Falam” foi eternizada na voz de Beth Carvalho, no álbum “Mundo Melhor”, e apesar de suas letra e melodia triste, a canção continua inspirando gerações ano após ano.

17. O Mundo é um Moinho – Cartola

Já que falamos de Cartola, não podemos deixar de citar a canção “O Mundo é um Moinho”, também de sua autoria e escrita em 1976. A música é um desabafo do cantor sobre suas preocupações com a afilhada, Creuza Francisca dos Santos, e com suas escolhas na vida. “O Mundo é um Moinho” ganhou o país nas vozes de Cazuza, Ney Matogrosso e Beth Carvalho, além do próprio Cartola. Uma curiosidade é que há uma pequena mudança na letra de acordo com o intérprete: a versão de Cartola e Ney Matogrosso fala em um mundo mesquinho que ameaça os sonhos da garota; já nas gravações de Cazuza e Beth Carvalho, devido à concordância, são os sonhos de Creuza que se tornam mesquinhos, não o mundo a sua volta.

18. Carinhoso – Pixinguinha

Sem dúvida, uma das obras mais importantes da música popular brasileira, “Carinhoso” foi composta por Pixinguinha entre 1916 e 1917. A canção, entretanto, só ganhou letra anos mais tarde, de autoria de João de Barro. Apesar de seus mais de 100 anos, a música continua sendo reconhecida e marcante para muitos brasileiros. Eternizada em novelas, regravações nacionais e internacionais, comerciais de publicidade, etc., “Carinhoso” não envelhece e encanta a todos que escutam essa obra prima. Inclusive, a já citada Elis Regina foi um dos nomes que contribuiu para imortalizar a música, vale a pena conferir.

19. Trem das Onze – Demônios da Garoa

Escrita talvez pelo maior nome do samba de raiz, Adoniran Barbosa, e eternizada na voz do grupo Demônios da Garoa, “Trem das Onze” conta o dilema de um homem que precisa deixar sua amada, contra sua vontade, pois não pode perder o último trem, o que sai às 11 horas. Em referência direta à São Paulo, mais especificamente à cidade de Santo André, onde morava o compositor, a música encanta por sua simplicidade textual, mas incrível poder de evocar emoções e identificação com o poeta.

20. Eu Sei que Vou Te Amar – Vinícius de Moraes e Tom Jobim

Encerramos essa lista com o clássico “Eu Sei que Vou Te Amar”, fruto da parceria da dupla que já apareceu mais de uma vez nessa seleção. Composta em 1958 por Vinícius de Moraes e Antônio Carlos Jobim, “Eu Sei que Vou Te Amar” derrete até os mais gélidos corações. A canção conta a história de um amor que rompe qualquer barreira e qualquer distância, onde o sofrimento causado pelas intempéries da vida fica pequeno perto da felicidade gerada por viver um grande amor por toda a vida.


Cinema ou cassino online? ... Como funciona a IA ...